Giro de Entrevistas: Vereador Dimas Costa – PSD



Andreo Fischer – Especial

Em época de eleições municipais, nós idealizamos para os gravataienses, que todos os vereadores que são pré-candidatos a reeleição façam um balanço de suas legislaturas para que apresentem seus trabalhos desenvolvidos até aqui, e o que ainda idealizam para o povo caso alcancem outro mandato.

Nosso trabalho se restringe ao conteúdo jornalístico, e não há neste trabalho inserção de opiniões pessoais de nossos jornalistas, nem tampouco esse espaço caracteriza campanha política.

Os parlamentares são convidados pela nossa equipe a conceder as entrevistas, não havendo qualquer obrigação por parte deles.

 

E o primeiro vereador a fazer suas considerações é Dimas Costa, do PSD. A entrevista é a que segue.

 

Dimas Souza de Costa tem 34 anos, nasceu em Gravataí e é casado com Anna Beatriz, de 29 anos, com quem tem o filho Lorenzo, de apenas quatro meses de vida.

O vereador é Técnico em Segurança do Trabalho e atualmente cursa a faculdade de Gestão Pública, na FADERGS, em Porto Alegre.

Dimas entrou na política por sua família já ser desse meio. Conta que seu pai foi do antigo MDB (atual PMDB) e que ele foi secretário e diretor de obras em gestões petistas da cidade.

Acredita que através da política séria consegue mudar a vida das pessoas, mas ainda está insatisfeito com alguns setores da política em geral.

Em três anos e meio de mandato já encaminhou vinte projetos e se orgulha de alguns deles.

Idosos e deficientes tem reserva de apartamentos térreos em projetos de habitação com financiamento público, jovens abrigados pelo município tem cotas em estágios da prefeitura, cidadãos que tem problemas em seus bairros podem falar deles na tribuna da câmara, postos de saúde devem oferecer receitas médicas escritas no computador para facilitar o entendimento, desabrigados tem isenção de IPTU em caso de enchentes e tragédias naturais.

 

Mas o vereador lamenta que alguns desses projetos não tenham sido sancionados pela prefeitura, por algum motivo ou outro.

 

Nos seis meses que lhe restam do mandato, Dimas está estudando em conjunto com outros municípios, através de Projeto Indicativo, uma troca de informações sobre um sistema que acabe com as filas desumanas enfrentadas por idosos em postos de saúde, afim de tirar ficha para o médico. Também está atuando na cobrança por agilidade na construção de nove creches (EMEIS) que atualmente estão com suas obras paradas.

 

O vereador comenta que é pioneiro em levar seu gabinete para os bairros, direto à população, o que chama de Mandato na Rua, que ocorre todas as semanas em localidades diferentes de Gravataí.

Esse projeto visa ajudar as pessoas que por motivos de mobilidade não consigam chegar à câmara.

 

Sobre sua saída do PT, diz que foi por questões internas e que não tem problemas com o partido.

Seu atual partido, o PSD, apresentou seu projeto ao vereador e fez o convite para se filiar e Dimas aceitou.

 

Sobre o governo atual da cidade, critica que o mesmo não dialoga com a sociedade, que pouco investe em programas sociais e cita como exemplo a escalada da criminalidade entre jovens, também reclama que a prefeitura achatou os salários dos servidores e que não dialoga com a categoria.

Cita ainda que o atual governo dificulta o trabalho dos vereadores de oposição, pois raramente as reivindicações via requerimento são atendidas, prejudicando assim a comunidade.

 

Mas Dimas tem grandeza em afirmar que neste governo, as obras de mobilidade das avenidas Jorge Amado e Brasil enfim estão sendo tocadas e que a prefeitura fez sua obrigação prevista em lei ao fornecer uniforme escolar para todos os alunos da rede municipal de ensino.

 

O parlamentar fiscaliza o hospital e o posto 24 horas da cidade, fazendo visitas de surpresa em diversos horários afim de constatar boas práticas e possíveis irregularidades.

Ainda sobre o uniforme escolar das crianças, o vereador afirma que em 2014 cobrou a execução da lei da prefeitura e que usa a tribuna para propor a melhoria e valorização do direito dos servidores e vai pessoalmente em movimentos para apoiar a valorização dos professores municipais.

 

A pedido do jornalista, Dimas foi convidado a dizer o que acha de Gravataí, mas como cidadão comum.

 

Disse que a cidade cresceu em muitas áreas mas que ficou estagnada em outras. Mesmo Gravataí sendo o quinto PIB do Rio Grande do Sul, o vereador considera que os moradores ainda são dependentes de Porto Alegre para lazer e compras.

 

O gabinete do vereador é um diferencial em relação aos demais, porque está sempre com a porta aberta. Dimas justifica: “O gabinete é do povo e as vezes as pessoas ficam tímidas para bater à porta. Por isso, o meu gabinete fica sempre aberto para que a população entre e converse comigo”.

 

Sobre as famosas diárias dos vereadores, Dimas foi enfático: “Tenho direito a três cursos de qualificação por ano e NUNCA usei esse dinheiro. Inclusive, pago minha faculdade com meus próprios recursos e nem o celular da câmara a que tenho direito eu uso. No meu gabinete eu só uso meu celular particular”.

 

Tal afirmação do vereador foi provada ao jornalista quando sua assessora apresentou um documento assinado pelo presidente da Casa, vereador Nadir Rocha, atestando que Dimas nunca usou verba de diárias durante todo seu mandato. Outro documento similar também foi apresentado, mas dessa vez assinado pelo contador da Casa, Thiago Seixas Alves.

 

 

 


Escreva um comentário

Ver todos os comentários  

Your e-mail address will not be published. Also other data will not be shared with third person. Required fields marked as *