Mesa Diretora da Câmara de Gravataí não autoriza fiscal de trânsito afastado a apresentar defesa



Andreo Fischer – Giro de Gravataí

O fiscal de trânsito Anderson Almeida que foi afastado de suas funções após ter autuado veículo irregular de amigo do secretário dos transportes, foi à sessão da Câmara Municipal nesta terça-feira (5), mas por impedimentos legais não conseguiu usar a tribuna da Casa para exercer seu direito de defesa.

Anderson trabalha na fiscalização de trânsito de Gravataí desde 2013, quando no dia 07 de junho lavrou um auto de infração de trânsito contra um Citroen Air Cross na rua Cincinato Jardim do Vale. O carro estaria na responsabilidade de um amigo de Adão de Castro Júnior, titular da Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana.

Odilon Wiguel Machado que é assessor do secretário, chegou ao local onde o Citroen estava estacionado de maneira irregular e solicitou ao agente para retirar o carro do local, mas o fiscal teria mantido a decisão de guinchar o veículo ao depósito.

No dia 24, Anderson recebeu uma notificação do diretor de trânsito de Gravataí, Júlio César Oliveira Borges sobre seu afastamento da fiscalização de rua e que o agente deveria desempenhar funções administrativas na secretaria.

Desde então, ele relata que se sente perseguido e que tomou a decisão de usar a tribuna da câmara para chamar atenção ao caso, e chegou a redigir três folhas de uma resenha que na forma regimental da Casa seria lida na sessão desta terça-feira.

Na abertura da sessão, a maioria dos vereadores da bancada do governo criticaram a defesa do agente na tribuna, como o vereador Juarez Souza que disse que o atual prefeito está subindo nas pesquisas de intenções de voto e que o caso seria uma especulação para atrapalhar a campanha do prefeito.

Clebes Mendes manteve posição favorável a Anderson, salientando que a categoria deve permanecer unida e que tudo não passaria de questão política. Disse ainda que a guarda de trânsito da cidade recebeu consideráveis melhorias nos últimos anos.

O Giro de Gravataí conseguiu com exclusividade o discurso que o fiscal leria na tribuna.

Anderson diz que não é funcionário de partidos políticos e que procura servir bem a população todos os dias. Relata ainda os fatos citados no início desta reportagem e que gostaria de voltar as suas funções tendo em vista que o cumprimento de atividades administrativas seria uma punição por algo que ele fez certo. Diz também que o secretário Adão de Castro Júnior não está no rumo certo agindo dessa forma, pois a administração pública carece de atitudes morais, legais, impessoais e eficientes.

Antes da sessão se iniciar, o humorista Wagner Padilha da página de Facebook “Tô de olho no buraco” gravou uma matéria divertida com o agente, mas Wagner conhecido pelo bordão “Marco Naba” não quis fotografar para o Giro de Gravataí alegando “exclusividade” em seu trabalho.

Durante a sessão, Wagner provocou um princípio de tumulto contra os vereadores, o que fez o presidente da Casa, Nadir Rocha, pedir sua saída e ainda pausar a sessão por alguns minutos até os ânimos se acalmarem. O vereador Juarez ficou visivelmente irritado com a intervenção do humorista e chegou a dizer que “só autorizaria a veiculação de imagens suas feitas pelas câmeras oficiais da Casa”.

Até o fechamento desta matéria, o secretário Adão de Castro Júnior não enviou a este site sua versão dos fatos.


Escreva um comentário

Ver todos os comentários  

Your e-mail address will not be published. Also other data will not be shared with third person. Required fields marked as *