Esporte

O fracasso do Inter em 2019 tem nome: Marcelo Medeiros

Publicado

-

Inter não conseguiu superar o Goiás no Beira-Rio. Foto: Ricardo Duarte/Inter

O Campeonato Brasileiro chega às suas últimas rodadas e o torcedor colorado apenas aguarda o fim do sofrimento que é ver o time neste fim de ano. O último capítulo foi a derrota para o Goiás por 2×1 nesta quarta-feira (27).

Foi no Beira-Rio, no estádio em que, não faz muito tempo, o Inter gabava-se de ser imbatível, “em casa a gente resolve”. Não, não resolve mais. Cada partida, seja em casa ou fora é um martírio, o último capítulo teve direito a gol de Rafael Moura.

Em pouco tempo, o time que era chegou às oitavas de final da Copa Libertadores da América e foi finalista da Copa do Brasil se transformou em um amontoado de jogadores sem organização e sem poder de reação.

A derrocada do Internacional tem nome: Marcelo Medeiros. O presidente do clube, se não pode ser considerado único, e sem dúvidas o principal culpado.

Afinal, a última palavra é dele. Roberto Melo segue pelo aval presidencial, as contratações de Parede, Nathanael, Tréllez e cia, só aconteceram porque o presidente autorizou.

E o ponto principal, a demissão de Odair Hellmann é responsabilidade do presidente. O jovem técnico era muito questionado, nunca foi unanimidade. É verdade que foi com ele que o time não conseguiu reagir a perda da final para o Athlético-PR. Foi sob o seu comando que o Inter se acostumou a nunca vencer fora de casa.

Mas é preciso fazer o balanço de sua passagem como um todo. Odair assumiu a casamats colorada na reta final da série B, que não conseguiu conquistar. Teve um início difícil, mas é inegável que o colorado evoluiu em suas mãos.

Também é inegável que sem ele, o time se desencontrou e vai terminar 2019 pior do que 2018. Odair foi demitido no pior momento, o Inter patinou para a contratação de um novo comandante e o resultado é o que se vê no campo.

Talvez o clube ainda alcance a tão sonhada vaga na Libertadores 2020, mas o fracasso é a marca deixada neste ano, e o principal culpado é Marcelo Medeiros.