Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Polícia

Traficantes também estariam atrás de suspeito de matar funcionária de motel em Gravataí

Publicado

-

Inscrição feita por membros de uma facção no muro de um morador demarca o domínio da traficância na região. Foto: Giro de Gravataí/Especial.

Desde que a Polícia Civil divulgou as imagens do circuito interno de segurança do motel, localizado na Rua Bento Gonçalves, no bairro São Geraldo, que mostram a chegada e a saída do suspeito de matar a recepcionista haitiana Germanie Paul, de 29 anos, no último dia 10 de agosto, as forças policiais vem tentando capturar o suspeito, ainda não identificado, mas que segundo a investigação, seria usuário de crack. No entanto, não seriam só os policiais os interessados em ‘dar cana’ no homem.

A traficância da região, incomodada com a ofensiva da polícia para levantar detalhes sobre suspeito, também teria dado ordens para que ele fosse capturado, já que informações que chegaram até a investigação apontam que ele havia feito a compra de entorpecentes na região, levantando também a possibilidade de ser residente de bairros próximos.

Entretanto seu paradeiro ainda é desconhecido. Agentes da 2ª Delegacia de Polícia de Gravataí diligenciam diariamente o perímetro do local aonde a vítima foi morta para identificar e capturar o homem, o que acabou refletindo no comércio de drogas, que faz, principalmente, a venda de crack. “Eles ficam na volta (polícia), ai quebra a venda, não querem vender”, contou um usuário, não identificado na reportagem.

Com os policiais de campana, a venda de entorpecentes ficou sob risco, obrigando a traficância a reduzir o comércio nas esquinas e ruas, causando prejuízo aos cofres da facção. Além disso, no mundo da bandidagem, nem mesmo os traficantes aceitariam a morte de alguém para furtar, principalmente quando os objetos ou os valores subtraídos seriam moeda de troca para a compra de entorpecentes.

Segundo o delegado Gustavo Bermudes, responsável pelo caso, a investigação segue ouvindo testemunhas e buscando a identificação e o paradeiro do suspeito com todo o efetivo. “Latrocínio é prioridade. Temos investigações em andamento que deixamos de lado para focar nesse caso. Estamos em cima”, destacou ele, ressaltando que denúncias anônimas podem ser feitas através do número 181. Além disso, a Polícia Civil garante total sigilo dos denunciantes.

Entenda o crime

Era sexta-feira, 9 de agosto, por volta das 22h quando o homem, acompanhado de uma garota de programa, chega no motel e aluga um dos quartos para passar a noite. Horas depois, os dois são flagrados saindo do motel, suspeita a polícia que tenha sido para ir à compra de drogas. Eles voltam e permanecem no quarto até que a garota de programa vai embora.

Durante toda a madrugada, o suspeito é visto transitando entre seu quarto e a recepção, aonde Germanie estava. Em duas oportunidades ela o acompanha até o quarto, mas não fica ao local, retornando à recepção. Na terceira saída, ela o acompanha novamente, entra no quarto, mas não retorna. Minutos depois, câmeras de dentro da recepção mostram o suspeito revirando os móveis e abrindo o caixa. Ele furta pouco mais de R$ 100 reais e foge pelo portão principal. Desde então, ele é procurado.

*O homem que aparece na foto que ilustra a reportagem não tem vinculo com as informações acima.

Publicidade
Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias