Geral

Multiplicando a solidariedade, padaria oferece pão de graça para quem tem fome

Publicado

-

Padaria convida os clientes a participar de ação beneficente. Foto: Giro de Gravataí/Especial 

A solidariedade, cada vez mais, é a tendência da estação, em Gravataí. Há duas semanas, a padaria Miolo do Pão, no bairro Barnabé, entrou de vez na moda. Quem chega ao local, encontra um cartaz, convidando a aderir à solidariedade e um cesto de pães, para aqueles que têm fome.

Mariana Dorneles, uma das proprietárias, conta que há muito tempo a padaria ajudava quem pedia.  “Sempre foi um costume da nossa família ajudar com algo as pessoas que passavam pedindo algo para comer”, revelou. Ela explica que antes, quem estava no estabelecimento acabava escolhendo algum alimento e doando, mas não existia uma organização institucional para isso. “Mesmo que muitas vezes não tivesses produtos que estivessem “sobrando” nos dávamos os produtos à venda mesmo”, completou.

Nos últimos meses, com o crescimento do número de pedidos, nasceu a ideia de incrementar a ajuda. “A iniciativa surgiu a partir do momento que estávamos atendendo uma demanda grande de pessoas carentes que todos os dias vinham a nossa porta pedir doação pois estavam passando necessidades”, explica Mariana.

Agora, os pães que sobram de um turno para o outro são colocados no cesto, para quem precisar, pegar, de acordo com a necessidade. Ela faz questão de deixar claro, não são produtos velhos, são sempre pães novinhos, que ficaram do turno anterior.

E como a solidariedade é contagiosa, Mariana conta que os clientes também são incentivados a participar e que a adesão é grande. “Todos que falamos se não ajudam em um primeiro momento posteriormente já deixam algo”.

Negócio da família

A família tem a padaria há 13 anos, mas há cinco anos Mariana já não atuava mais no negócio. Como ela diz, estava traçando seus projetos e havia encontrado o seu caminho, assim como o irmão, Gustavo, que encontrou sua estrada na faculdade de Nutrição. Mas tudo mudou quando o pai dos dois, André, sofreu um AVC e precisou ser hospitalizado.

A saúde do patriarca fez com que os filhos voltassem e mergulhassem de cabeça no negócio da família. “Com uma visão não mercenária ou ambiciosa, mas mais humana. Claro que visando o crescimento sempre, mas agregando também para a sociedade e para o mundo”, afirma Mariana.

Enquanto o pai ainda está hospitalizado, os dois irmãos, e a mãe, Rosane, administram o negócio, que conta com 15 colaboradores e, de acordo com Mariana, atende também a diversas empresas da região de forma fixa.

 

Publicidade
Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias