Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Política

Mulher forte e de opinião; conheça Greicy Kelli, a mais votada do conselho tutelar

Publicado

-

Foto: Luis Felipe Teixeira/Giro de Gravataí/Especial

Reeleita no último domingo (06), a conselheira Greicy Kelli, 31 anos, conquistou a maior votação deste ano, 1.453 votos. Um dia após sua vitória, ela recebeu a imprensa para falar sobre a eleição e a vida como conselheira tutelar de Gravataí.

Estudante de Direito, cursando o quinto semestre, casada há 12 anos, e mãe de três filhos, Greicy é evangélica, mas garante saber separar opinião pessoal e crença da atuação pública no conselho tutelar. “O respeito vem em primeiro lugar, eu não deixo meus ‘ideais religiosos’ influenciarem no trabalho”.

Por ser jovem, muitas pessoas acreditam que ela não tem ‘estômago’ para encarar as situações, quase diárias, de abuso contra menores, vítimas de violência que nós nem suspeitamos que alguém possa cometer contra uma criança. Greicy entende essa desconfiança como preconceito e garante ser uma mulher forte, até por experiências pessoais, e porque, ao fim do dia, quando chega em casa, tem três filhos que precisam que ela esteja forte para cuidá-los.

Destaco os principais assuntos abordados pela conselheira na entrevista:

Estatuto da Criança e do Adolescente, medidas socioeducativas e maioridade penal 

“O ECA vai fazer 30 anos, ele precisa ser revisto, principalmente na questão do menor infrator reincidente. Hoje em dia, o menor infrator só é encaminhado à FASE quando tem atentado violento à vida. Existem casos de adolescentes que são encaminhados à delegacia dezenas de vezes, por questão de drogas, por exemplo, e voltam pra casa. O sistema todo é falho, não defendo o encarceramento da juventude vulnerável.

Deveria haver mais centros sociais, à exemplo dos mantidos pelos Maristas, contra-turno nas escolas, mas essa política em nível federal e não apenas como responsabilidade municipal. Isso seria maravilhoso para o trabalho de prevenção. Punição não é a solução, prender um jovem de 16 anos no sistema carcerário é matricula-lo no crime. Sou contra a redução. É a ampliação da oferta de atividades para os adolescentes a melhor forma de impedir a entrada deles no mundo do crime.

Conselho Tutelar: Eleição, estrutura e projetos

“O processo de escolha dos candidatos ao conselho tutelar é rigoroso e excelente, devia ser adotado para as demais eleições. A exigência de documentos comprobatórios, a prova de conhecimentos e o teste psicotécnico a que todos são submetidos tornam o processo rigoroso e permite que concorram apenas as pessoas que realmente estão preparadas para a tarefa. Um pena ser uma eleição facultativa, as pessoas não são obrigadas a votar, requer uma força maior na mobilização. Só na região onde eu atuo, são 190 mil habitantes atendidos pelos cinco conselheiros da região oeste. A demanda do conselho, somada à demanda do poder judiciário, é bastante alta e mesmo assim buscamos desenvolver ações que vissem a prevenção da violência.

No último período, buscamos, junto às escolas, desmistificar a imagem de um conselho tutelar como um órgão de ‘punição’. O projeto Semear atuou diretamente com as direções e orientações pedagógicas de todas as escola da região e isso nos aproximou ainda mais do ambiente escolar que é onde está o foco maior de nossa atuação que são as crianças e os adolescentes. No próximo mandato quero ampliar o número palestras e direciona-las às crianças, que precisam ser conscientizadas sobre o tema abuso sexual, hoje a chaga que atinge Gravataí em níveis muito elevados.”

Ameças de morte

“No passado, houve caso de um conselheiro, que não atua mais, esfaqueado. Muitas vezes nosso trabalho consiste em entrar na casa das pessoas e pôr fim em situações de violação de direitos, pôr fim à violência mesmo, isso gera desconforto por parte do violador. Ele não fica satisfeito com a nossa atuação e tem dois caminhos à seguir: a ofensa em redes sociais ou ataques à vida. Sinceramente, não tenho medo.”

Agradecimentos: Uma vitória compartilhada

“Agradeço a cada uma das 1.453 pessoas que foram votar em mim no último domingo. Muitos desses votos são fruto da minha atuação. Uma união forte se formou em torno desse projeto de reeleição e viabilizou a nossa vitória. Agradeço ao secretário de Mobilidade Urbana, Alison Silva, um amigos desde a infância quando minha mãe trabalhava com o pai dele, Acimar Silva; o vereador Airton Leal, querido, pessoa maravilhosa; vereador Neri Facin, que trabalhou com meu pai, que é comerciante na ‘faixa’ há 40 anos. E o vereador Alex Tavares. Sou muito grata a todos eles.”, finalizou.

 

Publicidade
Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias