Funcionárias terceirizadas do Fórum estão há dois meses sem receber salários

Fórum de Gravataí | Divulgação

Uma situação vem causando dor de cabeça e muito incomodo para cinco funcionárias de uma empresa terceirizada que presta serviço ao Fórum de Gravataí. De acordo com informações obtidas pela nossa reportagem, elas estão trabalhando com dois meses de salários atrasados. Se não bastasse a situação, as funcionárias ainda reclamam do espaço destinado a elas para o horário do almoço. O local ficaria entre os banheiros da área interna do Fórum, e que em dias de calor o odor fica forte no local, subindo pelas caixas de esgoto dos sanitários.

O Giro de Gravataí foi atrás para buscar explicações sobre os atrasos de salários. De acordo com a nota enviada pelo Grupo Trojahn & Toppel, os atrasos ocorrem desde março devido o não pagamento das notas fiscais por parte do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul. A empresa ainda ressalta não pode arcar com mais um mês de folha de pagamento, sem a garantia do recebimento.

Confira abaixo a nota na íntegra do Grupo Trojahn & Toppel.

Os salários e benefícios correspondentes às copeiras que prestam serviços no Fórum de Gravataí estão em atraso devido a falta de pagamento das notas fiscais por parte do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, que estão em aberto desde o mês de março/2018.

Nossa empresa não pode arcar com mais um mês de folha de pagamento, sem a garantia do recebimento, visto que estamos falando não do mês de abril, mas do mês de março!

Hoje mesmo encaminhamos uma Notificação Extrajudicial ao TJ (segue anexo Cópia da notificação encaminhada) solicitando providências quanto ao caso. Anterior a isso, já havíamos comunicado ao TJ que se não quitassem os débitos, não faríamos o pagamento dos funcionários, porém não obtivemos nenhuma resposta por parte deles (conforme e-mail também anexo).

Infelizmente os funcionários são os maiores prejudicados, mas como já citamos, não há como bancarmos dois meses de salários e benefícios sem o devido recebimento!

Ficamos à disposição para sanar qualquer dúvida.

O que diz o TJ?

O Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul (TJRS) informou que o atraso nos pagamentos das funcionárias terceirizadas se dá por conta de irregularidades nos documentos da empresa, que são enviados mensalmente para o pagamento dos serviços prestados.

De acordo com uma funcionária, a empresa não apresenta a documentação necessária – prevista no contrato de prestação de serviço, e assim, ocasiona o atraso do salário de seus funcionários. “O sistema adotado pela contratada também dificulta o repasse aos seus funcionários, pois os mesmos esperam sempre os empenhos do TJ para pagá-los, mesmo sabendo do prazo após o envio das notas”, contou a funcionária do TJ.

Ambas as envolvidas não souberam informar sobre a regularização do pagamento. Até o fechamento desta edição as funcionárias ainda não haviam recebidos os salários de março e abril. Nossa reportagem segue em contato com a empresa contratante e com o Tribunal de Justiça para acompanhamento do caso.

 

 

 


Escreva um comentário

ver mais comentários