Foco nos assaltos a coletivos e nos homicídios; conheça o novo Delegado da Regional de Gravataí

Foto | Gabriel Siota Ganzer/Giro de Gravataí | Reprodução

“Pé no barro e apaixonado por investigação”. Esta é a frase que melhor resume o delegado Carlos Henrique Braga Wendt, de 39 anos, que desde a última sexta-feira (06) foi nomeado titular da 1ª  Delegacia Regional Metropolitana de Gravataí, substituindo o delegado Volnei Fagundes Marcelo. Na Polícia Civil desde 2010, Carlos passou por importantes departamentos na instituição, entre elas, destaca sua passagem pela Homicídios de Viamão.

“Fiquei durante quatro anos atuando na cidade vizinha de Viamão. Durante este período elevamos os índices de elucidações dos crimes em aproximadamente 75%. Importante destacar que a grande parte dos inquéritos eram denunciados pelo Ministério Público (MP), confirmando a consistência de provas durante o curso da investigação, revelando também o excelente trabalho desenvolvido pela nossa equipe”, ressalta Wendt.

Na força-tarefa contra o roubo em coletivos

Foi entre janeiro e fevereiro de 2016 que uma onda de assaltos a transportes coletivos na capital deixou em alerta a cúpula da segurança pública, que decidiu por criar uma força-tarefa afim de investigar e identificar os criminosos. De acordo com ele, os números referente a este tipo de crime cresceu drasticamente, colocando representantes do sindicato dos rodoviários, empresários e os policias, em constantes reuniões para medidas de urgência.

“Em um mês específico constatamos mais de 400 ocorrências referente a mesma prática. Assim criamos um elo entre os empresários, sindicatos e começamos um árduo trabalho de investigação, mas contando com o apoio destes terceiros, conseguimos identificar os criminosos, e puni-los, diminuindo significativamente os índices de assaltos a transportes coletivos, deixando o estado como referência, por ser o primeiro a criar um grupo que se profundou no combate a esta prática”, contou.

O foco em Gravataí e região 

O delegado busca em Gravataí desenvolver um trabalho semelhante ao da força-tarefa, visando reduzir a criminalidade no transporte público da cidade, no qual ele julga ser um dos piores crimes, pois atinge grande parte da população, em sua maioria, pessoas com menor poder aquisitivo, e que muitas vezes são assaltadas e perdem o pouco que tem, afirmou ele.

Constantes ações deverão ocorrer na cidade contando com as delegacias distritais e a especializada no atendimento a mulher, a DEAM. Na Homicídios, a Operação Pulverização, que busca estancar o tráfico de drogas em áreas deflagradas, e que apresentam grande possibilidade de confrontos pela disputa dos pontos de venda de entorpecentes, também deverão ser desenvolvidas com maior frequência.

“Vamos trabalhar forte na região. Nós sabemos que os delegados e os agentes tem muito trabalho, muita dificuldade, pela falta de contingente, mas mesmo assim se empenham em prol da população. Reforço que o trabalho em conjunto, não só com as forças de segurança, mas também com a comunidade será muito positivo para a cidade”, finalizou o delegado em entrevista ao Giro de Gravataí.


Escreva um comentário

ver mais comentários