Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Como ocorreu a prisão do homem que tentou extorquir o sogro em falso sequestro em Gravataí

Foto: Polícia Civil/Divulgação

Todos os casos de desaparecimento que chegam até a Delegacia de Homicídios de Gravataí são minuciosamente analisados afim de identificar a motivação, seja ela por rebeldia de adolescentes, até casos de pessoas maiores de idade que resolvem sair de casa, e que familiares registram a ocorrência como desaparecidos. Em uma pequena parcela, ficam os casos, alguns sem solução, de pessoas que simplesmente desapareceram, e nunca mais foram localizados.

Não se houve falar nos últimos dois anos em Gravataí de casos de sequestro mediante pagamento para liberar a vítima. Isso até a última quarta-feira (06), quando os agentes receberam de familiares de um homem de 29 anos, morador do bairro Parque Olinda, que teria sido sequestrado e estava em poder de criminosos que exigiam dinheiro da família para que ele fosse liberado. O caso foi prontamente atendido pelos agentes, mas que “de cara”, contestaram o caso.

No celular de sua companheira, mensagens pelo próprio Whatsapp da suposta vítima, mostravam ele amarrado, em um cativeiro, que estaria localizado em Tramandaí. Na imagem que circulou pelos contatos da família, ainda assustada, mas também desconfiada, uma arma era apontada para ele. Conforme o delegado Eduardo do Amaral, os supostos sequestradores estariam pedindo uma quantia de cerca de R$ 10 mil, e que deveria ser paga pelo sogro da vítima.

Sem sinal do dinheiro e com a polícia na jogada, o homem reapareceu, mas com a condição dada pelos supostos sequestradores que o valor deveria ser pago, caso contrário, viriam para Gravataí executar a vítima. A história foi sendo desmascarada após as investigações. Ainda segundo o delegado, o homem foi preso na residência em que morava com a família.

“Diversos elementos comprovaram o falso sequestro. Um fator que chamou a atenção foi que ele retornou para Gravataí, mas ainda afirmava que se não pagassem o valor ele seria morto. Quando os agentes chegaram na residência dele, se depararam com ele, que não demonstrava nenhum medo, receio, atípico para alguém que estaria sendo ameaçado de morte”, destacou Amaral.

O homem foi preso em flagrante pelo crime de extorsão e denunciação caluniosa.

Write a Comment

view all comments