Política

Artigo | As ruas de Gravataí são meu chão de fábrica: Dimas

Publicado

-

Minha Gravataí do amanhã não começará em 1º de janeiro de 2021 se o povo me conceder a honra e a responsabilidade de governar a cidade onde nasci. A cidade vive antes de mim, e viverá depois.

Foto: Divulgação/Reprodução

Cabe-me aprender com os erros e acertos, do passado e do presente, e ser um trabalhador abnegado e criativo, cercado das melhores pessoas e ideias possíveis, para escolher as prioridades do hoje com responsabilidade, e buscar soluções que garantam um bom futuro às próximas gerações.

Já aviso. Minha prioridade são as pessoas. Aquelas que mais precisam do governo. Abandonadas e sem voz. Não com demagogia, dizendo só aquilo que o eleitor quer ouvir, mas com o compromisso de trabalhar para dar a segurança de que, ao menos nas áreas básicas, será garantido aquilo que por vezes é o mínimo: médico no posto de saúde, vaga na creche e um imposto justo em relação ao serviço que é prestado.

Não significa que prometo resolver tudo para ontem, ou que acho que tem dinheiro para tudo, apesar de ter muito Orçamento, sim! Mas garanto que priorizarei o mais importante, ouvindo muito quem paga a conta, que são vocês. Esses tempos de wi-fi permitem isso aos governantes que sabem usar a tecnologia para se aproximar da população.

Diariamente sou acionado pelo WhatsApp, marcado nos grupos de Facebook, e isso é uma ferramenta direta e barata, que permite ao servidor público, o que sou, conhecer a realidade da cidade e correr atrás das soluções.

Leia também

Artigo de Anabel 

Artigo de Claiton Manfro 

Não acredito em salvador da pátria, não tenho todas as respostas, mas tenho toda boa vontade, transpiração e coragem para encarar o desafio de fazer uma Gravataí ainda melhor e que tenha a cara e o jeito da nossa gente. Quero que todos gostem de morar em Gravataí, que o amor pela cidade não seja só um pórtico.

Me esforçarei para tornar real o sonho de que nosso orgulho seja viver em saúde, paz e conhecimento, e não apenas nos conformarmos em ser campeões em matemática, em fazer contas onde a vida das pessoas e os números tem o mesmo valor!

Governos passados e o governo atual fizeram e fazem coisas boas, e é meu compromisso mantê-las, sempre avançando e melhorando. Mas considero ter vergonha na cara, sensibilidade e experiência para mudar essa lógica histórica da nossa cidade, que é o político esquecer o povo, principalmente os mais pobres, até às vésperas da eleição, quando aparecem as mágicas que tanto conhecemos.

Não gastarei o tempo de vocês falando em politicagem, porque o grito das urnas ainda ecoa para aqueles que têm humildade para ouvir. Dá para trabalhar sem conchavos, sem falcatruas, sem gastar mal o dinheiro público.

Andei e ando por toda a cidade com meu Mandato na Rua e sei que a comunhão entre a comunidade e quem governa só funciona quando tem o “olho no olho”.

A tecnologia facilita ainda mais essa aproximação. Síndico bom é aquele que está sempre à disposição para avaliar os problemas e soluções junto aos moradores. Prefeito bom é aquele que vai onde o povo está. Que diz “sim” ou “não” pisando no barro.

Me preparo, sou formado em Gestão Pública e faço pós-graduação em Gestão Estratégica de Pessoas.

Mas uma comunidade se faz no dia a dia, com o esforço de todos e olhos no futuro. Meus conterrâneos são os meus colegas e meus patrões. A rua é e sempre será meu chão de fábrica.

Viva Gravataí!

_____________________________________________________________________________

Paulo Silveira, Sadao Makino, Luiz Zafalon e Jones Martins ainda terão seus artigos publicados em breve. Os demais candidatos consultados não encaminharam os textos à editoria de política. *As publicações seguem em ordem alfabética.

Publicidade
Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias